quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Maior atirador de elite de todos os tempos

Himo Hayha - Finlândia - 542 mortes.




Ele nasceu em 17 de dezembro de 1906 na pequena cidade finlandesa de Rautajarvi, era um simples fazendeiro de vida tranqüila e pacata, caçador desde a infância aos 17 anos alistou-se no exercito finlandês para cumprir serviço militar obrigatório, em novembro de 1939 a Rússia invadiu a Finlândia dando inicio a uma guerra que iria durar 105 dias e ficaria conhecida como a guerra de inverno, Simo Hayha foi convocado as pressas juntamente com centenas de outros reservistas, integrou a companhia JR 34 encarregada de proteger e retardar o avanço da frente russa na região do rio Kollaa.

A superioridade numérica dos russos era esmagadora, e como o vale do Kollaa era ponto estratégico importantíssimo para o avanço russo, para lá foram enviadas 12 divisões, com um total de 160.000 homens, ignorando a superioridade numérica a resistência finlandesa lutou ferozmente, e foi durante essa luta desigual que se destacou Simo Hayha. Aqueles eram os seus campos de caça e conhecia a região como ninguém, era a sua casa, nenhum inimigo estaria seguro, "caçando" sozinho a "morte branca" (apelidado por causa da camuflagem branca que usava na neve) levou o terror às linhas inimigas, agia no sul e no norte, nunca fazia mais que um disparo por posição, quando agia levava o pânico e abalava o moral das tropas inimigas.
Assim a bravura e a audácia de um único atirador, atrasou em meses o domínio daquela região, e em apenas um mês as perdas vermelhas no vale do Kollaa triplicaram.

Usava um rifle Mosin Nagant M28 em calibre 7.64X54 R (mesmo calibre do atual SDV Dragonov) regulamentar das tropas finlandesas naquela época, as miras eram abertas e sem qualquer tipo de aparato de precisão, com esse rifle por mais de uma vez eliminou oficias russo com tiros precisos de mais de 400 metros.




Em fevereiro de 1940 a ele foi entregue um rifle Mauser equipado com um uma luneta de precisão e coronha custon, mas para a surpresa de todos Hayha recusou a oferta do rifle e preferiu continuar com o seu velho Nagant de miras abertas, segundo palavras do próprio Hayha; o rifle Mauser era muito bom, mas o forçava a levantar demais a cabeça para visualizar a luneta, e isso pra ele poderia significar a diferença entre matar ou morrer já que era diariamente caçado por vários snipers russos, o fato de não gostar de lunetas era devido a necessidade de cuidados especiais que precisava se ter com esses delicados aparelhos por causa do gelo e da neve que constituíam o ambiente dos combates.

Dessa forma mesmo após o fim da guerra de inverno com a inevitável derrota finlandesa em março de 1940 as posições do rio Kollaa ainda estavam sobre a "proteção" da morte branca e de uma pequena facção do exercito finlandês.

Nos 100 dias que lutou na guerra de inverno Simo Hayha teve creditadas e confirmadas oficialmente 542 baixas inimigas, seus números são verdadeiramente notáveis, e acredito que dificilmente serão superados por qualquer outro sniper de guerras modernas.

No dia 03 de junho de 1940 Simo Hayha foi ferido gravemente no rosto por um sniper russo, mesmo assim ainda encontrou o seu fuzil e caçou e matou o homem que o feriu, aquela foi a ultima ação de Simo Hayha no exercito finlandês, morreu de causas naturais no dia 1º de abril e 2002 em Hamina Finlândia aos 96 anos.

Contribuição: Salci Fufu

3 comentários:

Marcos SP disse...

Não lembro ae certo a fonte, mas li algo a respeito sobre essa resistência em relação aos Russos.

Além de grandes atiradores, eles eram esquiadores quase profissionais.

Apareciam e Desapareciam muito rápido sobre seus esquis, geralmente ficavam na parte mais alta da montanha, logo q acertavam seu oponente, fugiam em esquis na outra face da montanha. Era quase impossivel acertar eles.

Mas os maiores atiradores de elite em quantidade é a antiga russia. A cada 10 famosos atiradores, 7 são Russos...

salci fufu disse...

E o rifle dele era de fabricação Russa e a submetralhadora ele tb fazia um estrago

Dru Arnaldo de Nicola Macchione Macchione disse...

Só na primeira noite morreram 200.000 comunistas russos, e ainda celebramos as vitorias e virtudes desse heroico sniper , sem nenhuma dúvida , o maior de todos os tempos!